segunda-feira, 29 de junho de 2009

sexta-feira, 26 de junho de 2009


“Nós não deixaremos de agir porque agir é difícil. Agora é a hora de tomar duras decisões”, disse Obama. “Agora é a hora de ir ao encontro dos desafios da encruzilhada da história, ao escolhermos um futuro mais seguro para o nosso país e mais próspero e sustentável para o nosso planeta.”

Barack Obama citado por Revista Meio Ambiente(27-01-2009)

Siga este link e diga ao Presidente Obama o que pensa do projecto de criação de uma zona de treino de caças supersónicos nos Açores.

Peça-lhe que trave o projecto.
Ele pode fazê-lo.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Poema da Paz


O dia mais belo? Hoje.
A coisa mais fácil? Equivocar-se.
O obstáculo maior? O medo.
O erro maior? Desistir.
A raiz de todos os males? O egoísmo.
A distracção mais bela? O trabalho.
A pior derrota? O desalento.
Os melhores professores? As crianças.
A primeira necessidade? Comunicar.
O que mais faz feliz? Ser útil aos demais.
O mistério maior? A morte.
O pior defeito? O mau humor.
A pessoa mais perigosa? A mentirosa.
O sentimento pior? O rancor.
O presente mais belo? O perdão.
O mais imprescindível? O lar.
A estrada mais rápida? O caminho correcto.
A sensação mais grata? A paz interior.
O resguardo mais eficaz? O sorriso.
O melhor remédio? O optimismo.
A maior satisfação? O dever cumprido.
A força mais potente do mundo? A fé.
As pessoas mais necessárias? Os pais.
A coisa mais bela de todas? O amor.


Madre Teresá de Calcutá


E por amor aos Açores, se ainda não enviou mensagem ao Presidente Obama, por favor leia os posts anteriores e peça à administração norte-americana que trave o projecto de zona de treino militar nos Açores e de transformação da Base das Lajes numa plataforma para os mais potentes, mais perigosos, mais ruidosos e mais devastadores aviões militares do mundo.
Esse cenário é absolutamente incompatível com a imagem dos Açores e a concretização do projecto traria consequências nefastas de toda a ordem, incluindo económicas. Quem quereria fazer turismo nos Açores com estes aviões por perto? Parece que o barulho é ensurdecedor. E as ilhas ficariam irremediavelmente associadas à imagem de guerra e morte. Em termos simbólicos, os efeitos no "prestígio" dos Açores seriam muito piores do que os da cimeira das Lajes.

quarta-feira, 24 de junho de 2009


Quem quer estes monstros nas ilhas e nos céus dos Açores?
Na foto, vê-se um F-35, avião em fase de produção, cujos treinos estão previstos - conjuntamente com os já existentes F-22- para os céus dos Açores, tendo a Base das Lajes como plataforma.

Será que os responsáveis nacionais e regionais que já deram o seu pré-acordo a estas intenções leram os dossiês ou procuraram perceber o que está em causa?

Só para termos uma ideia do que são estes "brinquedos", como bem lhes chamou FiatLux, aqui fica:

"Environmental concerns
In late 2008 the Air Force revealed that the F-35 would be about twice as loud at takeoff as the F-15 Eagle and up to four times as loud upon landing. As a result, residents near Davis-Monthan Air Force Base, Arizona and Eglin Air Force Base, Florida, possible homes of the jet, have requested that the Air Force conduct environmental impact studies concerning the F-35's noise levels.The city of Valparaiso, Florida, adjacent to Eglin AFB threatened in February 2009 to sue the Air Force over the impending arrival of the F-35s

Armament

Weapons bay on a mock-up of the F-35.The F-35 includes a GAU-22/A four-barrel 25 mm cannon.The cannon will be mounted internally with 180 rounds in the F-35A and fitted as an external pod with 220 rounds in the F-35B and F-35C.

Internally (current planned weapons for integration), up to two air-to-air missiles and two air-to-ground weapons (up to two 2,000 lb bombs in A and C models; two 1,000 lb bombs in the B model) in the bomb bays. These could be AIM-120 AMRAAM, AIM-132 ASRAAM, the Joint Direct Attack Munition (JDAM) — up to 2,000 lb (910 kg), the Joint Standoff Weapon (JSOW), Small Diameter Bombs (SDB) — a maximum of four in each bay, the Brimstone anti-armor missiles, and Cluster Munitions (WCMD. The MBDA Meteor air-to-air missile is currently being adapted to fit internally in the missile spots and may be integrated into the F-35. The UK had originally planned to put up to four AIM-132 ASRAAM internally but this has been changed to carry 2 internal and 2 external ASRAAMs.It has also been stated by a Lockheed executive that the internal bay will eventually be modified to accept up to 6 AMRAAMs.

At the expense of being more detectable by radar, many more missiles, bombs and fuel tanks can be attached on four wing pylons and two wingtip positions. The two wingtip pylons can only carry AIM-9X Sidewinders, while the AIM-120 AMRAAM, Storm Shadow, Joint Air to Surface Stand-off Missile (JASSM) cruise missiles and 480 gallon fuel tanks can be carried in addition to the stores already integrated. An air-to-air load of eight AIM-120s and two AIM-9s is conceivable using internal and external weapons stations, as well as a configuration of six two thousand pound bombs, two AIM-120s and two AIM-9s.With its payload capability, the F-35 can carry more air to air and air to ground weapons than legacy fighters it is to replace as well as the F-22 Raptor."

Quem quiser estes aviões nas ilhas e nos céus dos Açores, não faça nada.
Quem quiser os Açores belos, puros e limpos, está à distância de um click para Obama.

segunda-feira, 22 de junho de 2009


Eu já mandei uma mensagem ao Presidente Obama.
Apelo à sua sensibilidade acrescida para as preocupações dos Açores, sensibilidade que resulta de ele próprio ser um ilhéu nascido no Havai.
Apelo à sua intervenção para que trave o projecto de transformação da Base das Lajes numa plataforma de aviões de combate e de criação de uma zona de treino de aviões F-22 e F-35 no espaço aéreo dos Açores.
Explico que a concretização do projecto, a que o Governo Português e o Governo dos Açores tão irresponsavelmente já disseram sim, seria um desastre para os Açores.
Digo-lhe que os Açores são o Havai do Atlântico e ilhas consideradas pela National Geographic Traveller as segundas melhores do mundo (para nós, são claramente as melhores) e que este projecto não seria justo para ninguém.
Envie também uma mensagem ao Presidente Obama através deste link e junte-se aos nunca baixam os braços em defesa dos Açores.

(Na imagem, Barack Obama em criança, com a mãe. Fonte:tsblogs

sexta-feira, 19 de junho de 2009

Yes, we can


Sim, podemos escrever ao Presidente Obama, enviar cartas, emails, assinar petições, tentar falar ao coração de um ilhéu nascido no Havai.

Sim, podemos dizer ao Presidente Obama que não é justo criar uma zona de treino de aviões de guerra nas segundas melhores ilhas dos mundo.

Sim, podemos procurar compreensão na Casa Branca, já que na residência oficial de S. Bento e no Palácio de Santana imperam a insensibilidade e o desamor pelos Açores.

Propomos que todos enviem mensagens ao Presidente Obama através do sítio da Casa Branca na web.

Por favor, sigam este link e enviem as vossas mensagens.

PSD quer que governo esclareça acordo com EUA

Os deputados do PSD eleitos pelos Açores questionaram, esta sexta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros sobre a posição do governo português relativamente às novas solicitações militares norte-americanas para a utilização da Base das Lajes.

quarta-feira, 17 de junho de 2009


Não é verdade que é preciso ouvir a Assembleia da República em matérias como a que agora está em causa relativamente à Base das Lajes?

Alegra-nos a notícia de que o Ministro da Defesa vai ter de dar explicações ao Parlamento.

(Fonte da imagem: www.parlamento.pt

Ouço o argumento de não nos podermos opôr às pretensões norte-americanas a "novas valências" (deve ser um eufemismo...) na Base das Lajes nem à utilização do céu açoriano para treinos dos seus aviões de guerra por "sermos países amigos".
O que é que isto quer dizer?!
Aos amigos nem sempre se pode dizer sim.
Que baixar de braços é este?

Ouço também o argumento de não nos podermos opôr às mesmas pretensões norte-americanas por causa dos interesses dos trabalhadores da Base.
Desculpem, importam-se de explicar?
Qual é a ligação directa entre as duas coisas?

E ouço também que tudo isto foi decidido por Lisboa. Quem é que perguntou o que quer que fosse aos açorianos? Só sabemos que Governo Regional e Câmara Municipal da Praia da Vitória já manifestaram o seu acordo. Mandatados por quem?

terça-feira, 16 de junho de 2009


A Força Aérea dos EUA pretende utilizar para treino uma áerea de 200 por 400 milhas (274.347 quilómetros quadrados) sobre o oceano Atlântico.
A criação da zona de treinos sobre o Atlântico implica a utilização da Base das Lajes para apoio logístico aos meios envolvidos em treinos, particularmente os caças avançados F-22 e os caças F-35, que ainda não entraram ao serviço.

Os presidentes do Governo Regional e da Câmara Municipal da Praia já manifestaram o seu apoio à concretização destas intenções.


Melhor esteve a Presidente do PSD/Açores, em declarações à saída de uma visita à Base das Lajes.
Nem os que possam estar de acordo com a utilização da Base das Lajes como campo de treino de aviões militares podem fazer cedências antes de garantir contrapartidas válidas para os Açores e de ouvir exaustivas explicações acerca da questão ambiental, questão fundamental e oportunamente referida pela líder do PSD/A.

Fonte da imagem: www.acores.com

domingo, 14 de junho de 2009


Portugal e Estados Unidos negoceiam utilização da base nos Açores
Governo dá acordo de princípio a treino de F-22 dos EUA nas Lajes


É muito estranho o quase total silêncio acerca deste assunto.
Pela nossa parte - já o dissemos neste blogue - somos contra. Desde logo por não querermos (con)viver com os aviões militares mais devastadores do mundo.
Mas mesmo quem possa ser favorável à utilização das Lajes como campo de treino de aviões militares norte-americanos (cujo impacto ambiental está bem longe de ser devidamente explicado) tem de concordar que os Açores precisariam de contrapartidas. Nada se sabe a não ser que o Governo da República e o Governo dos Açores parecem já ter "entregado os pontos" nesta matéria.